sábado, 20 de novembro de 2010

Recolhendo e organizando roupas para lavar

 

Seguir alguns cuidados preserva a beleza das roupas por mais tempo.

As roupas que usamos são nosso cartão de visitas, falam muito, sobre nós. Saber mantê-las sempre impecáveis, bonitas e com aspecto de novas, é sem dúvida uma grande façanha.
O trabalho com a lavagem das roupas ocupa um tempo considerável no serviço diário de uma casa.
O cuidado com elas passa por várias etapas até que possam ser usadas novamente. É necessário recolher elas todos os dias, separar por cores e tipos de lavagem. Depois lavá-las e colocar para secarem. Recolher e passar. Finalmente guardar no closet ou guarda-roupa.
Para fazer esse serviço, você ou sua ajudante, precisam dispor de um período do dia e este deve ser bem planejado, para sobrar tempo suficiente para cuidar do resto da casa e de você também.
Quando lavamos nossas roupas, com o cuidado necessário, elas durarão muito mais.
Roupas muito delicadas podem perder seu caimento e cor na primeira lavada, se não forem seguidos os passos para lavar, secar e passar corretamente.
Imagine o aborrecimento de não poder mais usar uma roupa, porque ficou muito feia, manchou ou desbotou depois de ser lavada.
Para evitar esses transtornos, seguir conselhos pode ser muito útil.
Como fazer isso de maneira fácil e prática?
Veja dicas que podem ajudá-la a fazer essa atividade com prazer e sem muito esforço.

Lavando roupa 1º passo:

Recolhendo as roupas para lavar

Verifique quais roupas realmente devem ser lavadas. Às vezes, só tem uma manchinha ou sujou só um pedaço da peça e não justifica lavar.
Quanto mais você lavar, mais velha ela vai ficar.
Também, quando usamos um suéter por cima de uma camisa ou camiseta, o suéter não fica com cheiro de suor e se estiver limpo, apenas deixe-o arejar sacuda-o e guarde-o.
Examine a roupa de menos uso a ser lavada, procure sinais de sujeira, suor, manchas. Só lave se necessário. Assim você evita trabalho e desgaste da roupa, desnecessário.
Também verifique sempre os bolsos. Eles devem estar vazios.
• Guarde a roupa a ser lavada em cestas plásticas vazadas pelo período máximo de 3 ou 4 dias.
Nunca coloque roupas úmidas ou molhadas junto com as outras, pois podem embolorar e manchar.
• A roupa a ser lavada nunca deve ser conservada em lugar fechado.
• Não misture roupas de uso pessoal com qualquer outra roupa.
• Não misture roupas muito sujas com outras peças de vestuário (exemplo: as roupas de crianças).
• Toalhas de rosto e fronhas podem ser trocadas 2 vezes por semana.
• Roupas de cama e toalhas de banho devem ser trocadas uma vez por semana.
Organizando a lavagem
• Roupas íntimas devem ser lavadas à mão, todos os dias.
• Se sua família é composta por 4 pessoas, todos os dias haverá uma quantidade de roupa suficiente que justifique utilizar a máquina de lavar.
• Se você fizer a troca das toalhas de rosto e fronhas 2 vezes por semana, em cada jogo de roupa de cama e toalhas de banho você terá que ter peças avulsas. Estas peças devem ser esfregadas à mão e deixadas de molho antes de irem à máquina. Elas ficam muito mais sujas que os lençóis e toalhas de banho.
Fazendo pequenos consertos
• Tenha à mão uma pequena caixa de costura.
• Antes de lavar as roupas, verifique se é necessário fazer pequenos consertos:
Pregar botões para que não se percam na lavagem,
Costurar ou reforçar bainhas parcialmente desfeitas,
Refazer qualquer descosturado nas cavas ou laterais das camisetas,
Remendar os furos e rasgos, pois ao centrifugar, poderá causar danos maiores nas peças de roupa.
Separando roupas para lavar
• Cada tipo de tecido requer uma maneira própria de lavagem.
• Separar por tipo de tecido: olhar a etiqueta da peça que diz a forma correta de lavar e passar, além de seu encolhimento.
Roupas de fibras sintéticas:
Devem ser lavadas com sabão neutro para roupas delicadas.
Fibras novas que aparecem no mercado: siga as instruções da etiqueta.
Peças de vestuário, feitas com fibras high tech e outras cuja etiqueta não menciona o teor de pré-encolhimento, devem ser entregues aos cuidados de um tintureiro de confiança.
Separando as peças por cor
Roupas brancas;
Roupas de cores claras;
Roupas de cor escura;
Roupas de cama e banho;
Roupas delicadas, lingeries;
Roupas da cozinha, como toalhas de mesa, panos de prato e mão, guardanapos, etc.
Antes de lavar, a maioria das peças precisa passar por uma pré-lavagem, (2º passo). Este procedimento vai facilitar a lavagem final.



Fonte: Site BBEL.uol.com.br

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Flores de tecido

Estas são as primeiras flores de tecido que eu fiz. Aprendi com uma pessoa muito querida: a Ni, minha sogrinha!!!




terça-feira, 9 de novembro de 2010

Casais Inteligentes Enriquecem Juntos

Um dos maiores detonadores de brigas entre o casal são as dificuldades financeiras. Faltou dinheiro para pagar as contas? A culpa recai sobre o parceiro esbanjador, que não quer nem saber se havia saldo no banco na hora de fazer alguma compra. Sobrou dinheiro no fim do mês? Em vez de comemorar, o casal pode arranjar mais um motivo de discussão sobre como investir ou gastar aquela quantia. Para Gustavo Cerbasi, a causa desses desentendimentos é a falta de conversa em família sobre dinheiro. Em geral o casal só fala sobre o assunto quando a bomba já estourou. E, como não discute a questão a dois, a maioria não faz um orçamento, não guarda dinheiro para atingir suas metas.

Pai Rico Pai Pobre

O objetivo deste livro é o de partilhar percepções quanto à maneira como uma maior inteligência financeira pode ser empregada para resolver muitos dos problemas comuns da vida.
Sem treinamento financeiro, freqüentemente recorremos a fórmulas padronizadas para levar a vida, como trabalhar com afinco, poupar, fazer empréstimos e pagar impostos demais.
[pai-rico-pai-pobre.jpg]Segundo o autor, cada indivíduo tem o poder de determinar o destino do dinheiro que chega às mãos. A escolha é de cada um. A cada dia, a cada nota, decidimos ser rico, pobre ou classe média. Dividir este conhecimento com os filhos é a melhor maneira de prepará-los para o mundo que os aguarda. Ninguém mais o fará.O autor conta que teve dois pais, um rico e outro pobre. Um era muito instruído e inteligente, o outro nunca concluiu o segundo grau. Ambos foram bem-sucedidos em suas carreiras e trabalharam arduamente durante toda a vida, auferindo rendas consideráveis. Porém, um sempre enfrentou dificuldades e o outro se tornou o homem mais rico do Havaí. Enquanto o pai pobre dizia não ligar para dinheiro pois não era importante, o pai rico dizia, dinheiro é poder. Ele observou que seu pai pobre não era pobre por causa do dinheiro que ganhava, que era bastante, mas por causa de seus pensamentos e ações. Uma das razões pelas quais os ricos ficam mais ricos, os pobres mais pobres e a classe média luta com as dívidas é que o assunto dinheiro não é ensinado nem em casa nem na escola. Muitos aprendem sobre dinheiro
 com os pais. O pai pobre diz ao filho que fique na escola e estude muito. Este pode se formar com ótimas notas, mas com uma programação financeira e uma mentalidade de pessoa pobre. Isso explica porque profissionais liberais com ótimas notas têm problemas financeiros durante toda sua vida. O dinheiro é uma forma de poder. Mais poderosa ainda, porém é a instrução financeira. O dinheiro vem e vai, mas se você tiver sido educado quanto ao funcionamento do dinheiro, adquire poder sobre ele e pode começar a construir sua riqueza. Os impostos são apenas uma pequena parte do aprendizado para fazer o dinheiro trabalhar para você. As vidas são conduzidas por duas emoções: medo e ambição. Se ganharem mais dinheiro elas continuarão o ciclo e aumentarão as despesas.
A causa principal da pobreza ou das dificuldades financeiras está no medo e na ignorância, não na economia, ou no governo ou nos ricos. As pessoas em geral nunca estudam sobre investimentos, aplicações. Trabalham, recebem salário, conferem canhotos do talão de cheques e só. Espantam-se com seus problemas de dinheiro e pensam que ter mais resolve a situação, não percebendo que falta instrução financeira. Não percebem que na vida o que importa não é quanto dinheiro se ganha, mas quanto se conserva.
Uma ótima leitura.

A Boa Sorte

Capa do livro A Boa Sorte por Álex Rovira E Fernando Trías de BesA história era de um mago que um dia chamou todos os guardas do castelo real, para propor- lhes um desafio: achar um trevo mágico que nasceria dentro de sete luas no bosque encantado. A maioria dos cavalheiros desistiu na hora, pois o bosque encantado era muito grande e cheio de perigos, alem disto, eles não tinham como descobrir em que lugar do bosque nasceria o trevo mágico de quatro folhas.

            Apenas dois cavalheiros aceitaram o desafio... Nott o cavalheiro do cavalo negro e Sidd o cavalheiro do cavalo branco.
O mago perguntou-lhes por que haviam ficado se todos haviam desistido e eles falaram que para se conquistar as coisas nunca podemos desistir! Então o mago mandou os dois cavalheiros ao bosque encantado, mas um para cada lado...
Chegando lá, os dois perguntaram a várias criaturas que moravam no bosque se sabiam onde nasceria o trevo mágico de quatro folhas. Com cada criatura acontecem coisas incríveis que acabam deixando a história emocionante e ensinando grandes lições. Perguntaram ao Gnomo, o Príncipe da Terra, à Dama do Lago, à Sequóia a Rainha das Árvores e para Stone, a mãe das pedras, mas todos diziam a mesma coisa:

               - É impossível nascer um trevo mágico de quatro folhas aqui no bosque encantado!

              Mesmo assim eles não desistiam e foram aprendendo as regras da boa sorte...

1-      A sorte não dura muito tempo, pois não depende de você. A boa sorte é criada por você, por isso dura para SEMPRE.

2-      Muitos são os querem ter a boa sorte, mas poucos decidem buscá-la.


3-      Se você não tem a boa sorte agora, talvez seja porque está sob as circunstancias de sempre.

4-      Preparar as boas condições para a boa sorte não significa buscar somente o beneficio a si mesmo. Criar as condições favoráveis nas quais outros também ganhem, atrai boa sorte.

5-      Se você deixa para amanhã o trabalho que precisa ser feito hoje, a boa sorte talvez nunca chegue.

6-           Às vezes, mesmo que as condições necessárias estejam aparentemente presentes, a boa sorte  não chega. Procure nos pequenos detalhes o que for aparentemente desnecessário... mas IMPRESCINDÍVEL!

E aprenderam muitas outras regras. Se você quer descobrir o que acontece no final, quem acha o trevo, quais são as outras regras para conseguir a Boa Sorte, leia o livro... eu garanto que  vale a pena!!

A Cabana

A filha mais nova de Mackenzie Allen Philip foi raptada durante as férias em família e há evidências de que ela foi brutalmente assassinada e abandonada numa cabana. Quatro anos mais tarde, Mack recebe uma nota suspeita, aparentemente vinda de Deus, convidando-o para voltar àquela cabana para passar o fim de semana. Ignorando alertas de que poderia ser uma cilada, ele segue numa tarde de inverno e volta a cenário de seu pior pesadelo. O que encontra lá muda sua vida para sempre. Num mundo em que religião parece tornar-se irrelevante, "A Cabana" invoca a pergunta: "Se Deus é tão poderoso e tão cheio de amor, por que não faz nada para amenizar a dor e o sofrimento do mundo?" As respostas encontradas por Mack surpreenderão você e, provavelmente, o transformarão tanto quanto ele.

Marley e Eu

Marley e EuO livro fala sobre a história de amor entre um cachorro e seu dono. O autor consegue contar a história e demonstra como pode ser forte a relação do ser humano com o animal, como ele pode ser importante na vida de um casal.
Tudo começa quando a mulher do casal sente muita vontade de ter um filho, e vai criar uma planta. Só que por excesso de cuidado (no caso muita água) a planta simplesmente murchou: afinal nada pode existir em excesso. A mulher ficou arrasada, e pensou, como podia cuidar de um filho se não consegue cuidar ao menos da planta? Decidem os dois criar um cachorro, aí começa toda a história, esse cachorro, o Marley, foi expulso de centros de adestramento, causou vergonha aos donos, era traumatizado com chuva, entre outras coisas. Mas, em compensação chegava a apoiar os donos quando ela estavam tristes, defendia-os, brincava com os filhos do casal, enfim, era a alegria e ao mesmo tempo o pestinha da casa, sempre desastrado, derrubando tudo por onde passava. E foi assim que ele mudou a vida de seus donos.

Indicação de livros

Gente, tem vários livros dos quais eu amooooooo... Mas vou relacionar alguns deles com suas respectivas resenhas (resumos):

Resenha O Monge e o Executivo- O MONGE E O EXECUTIVO
O Monge e o Executivo conta uma história de um executivo de uma empresa que, no limite do stress, é inscrito pela mulher em um programa para reflexão em um monastério. Lá, o monge que recebe o executivo (e os outros personagens) é um ex-presidente de uma multinacional, bem-sucedido mas que decide largar tudo para viver como monge.
Nossas decisões são reflexos nem sempre racionais e, por isso, os fatores emocionais, intrapessoais e de administração são tão importantes. A leitura de O Monge e o Executivo é capaz de reativar esses laços e também a relevância do relacionamento de liderança, respeito e humildade que deve existir em nosso dia-a-dia.
Vale dizer nessa resenha, que no exercício da liderança é preciso tomar decisões pessoais e aplicar princípios, pois existe uma diferença entre liderança e gerência: na liderança o líder lidera pessoas enquanto na gerência o gerente gerencia coisas.
Eu considero a idéia do livro muito boa para ser aplicado a quem tem subordinados. Não é novidade que melhorar o clima organizacional motiva e melhora a produtividade. Porém, a forma como isso tudo é abordada no livro é de fato muito interessante e proveitosa. Mesmo quem não gosta de ler, vai gostar do livro.
Em resumo, para o autor, um líder é alguém que identifica e satisfaz as necessidades legítimas de seus liderados e, para tanto, necessário é saber o significado e o sentido do verbo servir, pois para liderar é preciso servir, com limites, responsabilidades e estímulos para se tornarem melhores, percebendo as diferenças entre necessidades e vontade e com uma forte dosagem de flexibilidade.

domingo, 7 de novembro de 2010

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Cataventos de Feltro

Cataventos em Feltro - PAP

Como fazer cataventos em feltro, veja este passo a passo prático no blog Ver e Fazer, repare que eles possuem duas faces de cores diferentes e são arrematados com um botão, foram utilizados como broches mas servem de inspiração para muitos projetos:









Dobraduras

Veja alguns modelos de dobraduras de bichinhos.











Alfineteiro de fuxico !

Alfineteiro ou enfeite?

Ambas as coisas. Os objetos utilitários, mesmo os mais simples, podem e devem ser agradáveis ao olhar. Se você não for muito chegada em costura, pode faz
er um pouco menor e transformar em chaveiro, ou em uma almofadinha para as bonecas da sua filha, ou ainda transformar em sachê.
Aproveite a época de Natal e faça um agradinho para presentear suas amigas!




Material necessário
- Lápis
- Papel carbono
- Cartolina
- Tecidos de algodão estampado e liso, em cores combinadas
- Tesoura para tecido
- Máquina de costura
- Agulhas de espessura média e fina
- Alfinetes
- Renda de náilon
- Fita mimosa
- Manta siliconada
- Linha de algodão Glacê
- Flores de tecido
- Pistola de cola quente ou Scotch Bond



Para o alfineteiro mostrado no passo-a-passo, foram usados dois moldes de 17 e 15 cm de diâmetro.
Você pode fazer do tamanho que quiser, mas deve haver sempre uma diferença entre eles de no mínimo 1cm. Corte a cartolina e guarde a folha para usar em outros trabalhos .
Se você gosta de trabalhar com fuxicos, use este risco para produzir moldes dos tamanhos que quiser.

Risque o molde maior nos dois tecidos estampados e corte

Use o molde menor para cortar o tecido liso. Se preferir pode fazer o alfineteiro inteiramente liso, mas procure usar cores que ao mesmo tempo combinem e contrastem entre si.





Dobre parte do tecido da roda menor para dentro, formando uma bainha, e faça um alinhavo com um ponto de lado.



Franza um pouco o tecido, e coloque um chumaço de manta siliconada.
Esse tipo de enchimento é muito utilizado atualmente na confecção de kilts, bonecas e almofadas, e pode ser encontrado em lojas de tecidos.

Puxe mais a linha para e feche.
Se não achar linha Glacê, você pode usar outra marca, mas deve ser uma linha forte para não arrebentar na hora de formar o fuxico.




Prenda a renda franzida na borda de uma das rodas estampadas com um alinhavo, no lado direito do tecido.
  • A renda deve ficar voltada para dentro.


  • Quando virar do avesso, a renda ficará para fora.
    Feche o pano redondo à mão e passe-o com o ferro



    Agora você precisa marcar o centro do círculo.
    Para isso, dobre o tecido em quatro, formando um triângulo, e prenda um alfinete na ponta.






    Abra o círculo e coloque o fuxico no centro. Prenda-o com o mesmo alfinete que usou para marcar o centro da roda, do outro lado.


    Com alfinetes, prenda o círculo em torno do fuxico, formando pequenas pregas.



  • Costure o tecido no fuxico, prendendo as pregas com pontos à mão. Faça assim: sobre uma das pregas, faça o mesmo ponto várias vezes no mesmo lugar depois, atravesse a espuma com a agulha e costure a prega seguinte. Assim, haverá o mínimo de pontos possível.
  • Para o acabamento, amarre um pedaço de fita mimosa ou uma tirinha de renda sobre as costuras e faça um laço.
  • Prenda-o com pontos invisíveis.



    Já está bonito, mas ainda pode melhorar. Cole com cola quente ou alguma cola da marca Bond (versões mais baratas da Super Bonder, que são achadas nas papelarias e supermercados) algumas flores de tecido.





    Se preferir, faça pequeninos fuxicos coloridos e costure. Tenho certeza de que vai ficar bonito.
    E pronto! Você pode fazer esse alfineteiro maior ou menor, ou fazê-lo totalmente liso ou ainda todo estampado. Fica inteiramente a seu gosto.







    A borracha EVA, o Etil Vinil Acetato !

    Dicas de como trabalhar
    Para riscar:

    Utilize um lápis de ponta fina ou agulha sem ponta (Tapestry 13), passando-o bem de leve. Pode-se fazer um molde em cartolina ou EVA. Para sua limpeza utilize detergente neutro para lavar louças.

    Para cortar:

    Utilize preferencialmente o estilete e régua ou molde como guia. Cuidado para não se cortar.
    Para pequenos pedaços e lados curvos utilize uma tesoura comum ou com curva. Ao cortar com estilete deve-se passá-lo com firmeza.
    Por baixo do EVA deve-se colocar uma placa de duratex ou outro objeto duro para não estragar a mesa.
    Para acertar alguma imperfeição nos cortes utilize um pedaço de lixa, passando-a somente na aresta (quina) com muito cuidado.


    Para colar existem duas opções:
    Cola a quente:
    Basta passar a cola entre as partes a serem coladas. O problema é que soltam fios e queima-se a mão com facilidade.
    Para não soltar fios após passar a cola pressione (limpe) a ponta da pistola no EVA antes de retirar.

    Cola de contato:
    Cola indicada para os kits Jarte. Cuidado com o cheiro da cola, preferencialmente trabalhe com máscara.
    Mantenha longe das crianças.

    Dicas para utilização da cola de contato:
    • Passar a cola de contato, sem exagero, nas duas superfícies a serem coladas;
    • Esperar secar, até não grudar mais ao toque; Juntar as partes.
    • Depois de juntadas as partes não dá mais para desfazer.
    • Dicas para utilização da cola de contato para colar pedaços pequenos, por exemplo mosaíco:
    • Colocar a quantia de cola necessária em um pequeno pedaço de EVA(sobra);
    • Esperar 1 minuto; Utilizando um outro pedacinho de EVA(sobra) passe na superfície a ser colada;
    • Coloque a peça no lugar e deixe secar um pouco.